Por uma infância sem rótulos!

Posted by in Dicas, Dificuldades, neuroses

Serenita já está quase completando seu primeiro aninho aqui na Terra. Um movimento de translação inteirinho com minha filha fora do meu útero. E acho que isso merece uma comemoração! Nada muito grande, só tios, primos, madrinhas e padrinhos. Ah! E os avós e abuelos :).

Feita a lista de “convidados”, enxutíssima, diga-se de passagem, eu resolvi encomendar um bolinho e uns brigadeiros. Nada espalhafatoso, tudo honestíssimo e fofinho, como Sereninha.

Ligo para a moça do bolo, e explico, seria para o aniversário da minha filha, blablabla.

-Qual o tema?

-Tema? Como assim, tema?

-O tema da festa.

-Ah…sem tema, só cores, muitas cores. Acho que o tema central do aniversário é a aniversariante,né?

– Mas como assim, cores?

– Uai, moça. Quero uma mescla de cores, sem padrão nenhum mesmo.

– …

– Bêj. Brigada.

-De nada.

No final das contas, encomendei um bolo e uns brigadeiros com as forminhas COLORIDAS. Muito coloridas.

E para arrematar a coisa toda, já que meus sogros argentinos estão vindo para BH, e não quero pensar em sair para comprar nada na semana que se aproxima, fui com minha mãe à uma grande loja de artigos de festas aqui de BH.

Comprei copos, pratos, balões, guardanapos, canudos e toalhas de mesa. Tudo tão colorido e sem padrão que acho que o tal do tema poderá ser definido como LSD. Coisa meio lisérgica mesmo. 

E por que eu não quero uma festa com tema? Simples! Eu tento criar Serena sem  comprar produtos licenciados. Sem Galinhas Pintadinhas, Patatis e Patatás, Pocoyo, etc etc.

Nada contra quem compra tais produtos para os filhotes,ok? Mas eu escolhi isso para minha filha.

Basta ligar a TV para vermos 300 mil propagandas voltadas para o público infantil. Ofertam-se desde brinquedos até roupas e sapatos dos “personagens preferidos” das crianças. Você começa com o boneco, passa para a mochila, lancheira, copo, chinelo, caneta, estojo e por ai vai! Eu já vi até BANANA prata com rótulo da Turma da Mônica. Imagine…

Pensando nisto, eu tento abastecer minha filha de coisas legais, mas sem o tal do rótulo famoso.

Ela até vê a Galinha Pintadinha, Patati Patatá e Pocoyo (em espanhol, jajajaja). Vê tudo no Netflix, mas é fã mesmo da Maria Elena Walsh e do Bita.

Claro que se alguém a presenteia com um boneco da Pepa eu não vou achar ruim, nem proibi-la de brincar com o brinquedinho. Mas EU não compro. 

Eu não quero alimentar o consumismo da minha filha. Caso ela cresça e queira seguir este caminho. Ok. Mas pretendo continuar com esta “filosofia” até quando for possível.

Para quem quiser entender um pouco mais sobre o assunto, deixo este texto e este. 😉

E para quem quiser entender meu conceito de festa sem tema, deixo este texto aqui também, com a festa mais linda de todos os tempos. <3 <3