Sinal de fumaça.

Posted by in casos, Uncategorized

Sumi,né? Sumi sim.

Tô bem? Tô bem sim.

A família tá joia? Tá joia. 😉

Pois é, faz um tempo que percebi que as redes sociais me deixavam estressada, angustiada e com muita ansiedade. Dai eu decidi que já era hora de cortar um pouco desse vício, ou seria fuga? Sei lá, só sei que abandonei o Facebook e o Instagram.

Parte dessa “decisão” foi tomada após a leitura de uma newsletter da Aline Valek (Acho que já comentei que AMO as newsletters e os textos dela), segue um trechinho do texto:

“Não sei você, mas acompanhar as redes sociais tem sido uma experiência aflitiva quando todo mundo parece estar fazendo coisas o tempo inteiro, é projeto novo, é evento, é lacrar aqui e ali, é estar MUDANDO O MUNDO e você com a sensação de estar ficando para trás.

Às vezes é preciso hibernar a cabeça, deitar os ânimos, apesar de um mundo lá fora que te grita produtividade o tempo inteiro.”

E sim, amigos! Eu tinha a sensação que estavam todos sendo super-pessoas, e eu aqui, sendo eu. Vivendo minha vidinha classe média. E isso me angustiava e me fazia sentir menor. E voilá, não acesso mais o facebook, ainda nao o desativei, pois tenho apego. (Taurina, né?)

Sem contar que euzinha sou uma pessoa metódica, mas você pode chamar de louca: eu só postava links de matérias que achasse relevantes ou alguma ou outra foto escolhida a dedo, e isso me tomava tempo. E se eu achasse que algum post meu pudesse ser mal interpretado eu ficava nervosa, mas nervosa ao ponto de não dormir. argh! rsrsrs

No Instagram era a mesmíssima coisa, a minha timeline tinha que fazer sentido (mesmo que fosse o sentido fosse só para mim), e tudo seguia uma ordem que só eu entendia, mas que mesmo assim, me gerava uma baita ansiedade (vejam o nível de controle da pessoa).

Adéu, Instagram!

E ai, Camila? O que você anda fazendo? Bom, eu estou estudando bastante, minha produtividade aumentou.

Estou lendo livros marabijosos! Os últimos: Americanah e Hibisco Roxo, ambos da Chimamanda Ngozi Adichie, foram as melhores leituras dos últimos tempos.

Vendo as séries: House of Cards e The Handmaid’s Tale, esta última eu já terminei e acho que todo mundo deveria ver, só acho.

Quanto a House of Cards é aquela relação de amor e ódio, amo a Claire (Que roupas, que cabelo!) odeio o Frank

( Que crápula! Que mané, que imbecil, sai daí, queridinho!)

E claro, estou cuidado da Serenita, que na verdade, cada dia cuida mais de mim…mas isso é algo que eu falarei em outro post.

Assim, caros amigos, saibam que vivo, mas só não entro no facebook 😉

Beijas.